8 vilões de uma alimentação saudável para crianças

Tempo de leitura: 15 minutos

8 vilões de uma alimentação saudável para crianças

Manter uma alimentação saudável para crianças nunca pareceu algo tão complexo como nos últimos dez anos. Você já reparou como o marketing de alimentos facilmente tem as crianças como alvo? São propagandas com jingles gostosos de cantar, embalagens coloridas e que chamam a atenção dos pequenos, etc. Parece que tudo passou a ser feito com a intenção de convencer as crianças de comerem mais… bem ou mal.

Além disso, ainda há o fator tempo que acomete os pais cada vez mais. A palavra praticidade também virou sinônimo de despreocupação para algumas famílias. Agendas lotadas e vidas atarefadas resultaram em enlatados ou comidas rápidas e desprovidas de nutrientes, na lancheira da escola ou no prato do almoço. Se esse consumo para os adultos não é algo positivo, imagina para a alimentação infantil.

É preciso manter uma alimentação saudável para suas crianças. Precisamos reconhecer isso. Comer bem, evita principalmente a obesidade infantil, que aumentou dez vezes nas últimas quatro décadas, de acordo com os dados do Imperial College London e da OMS. O aumento descontrolado de peso é um dos grandes vilões da saúde deste século.

E comer bem também previne outras condições que comprometem a saúde da criança. Males como a ansiedade, a depressão, o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), esquizofrenia, transtorno bipolar e uma série de outros distúrbios fisiológicos e psicológicos também podem ser combatidos com alimentos saudáveis.

A comida saudável é mais simples de preparar do que você imagina! Claro que, para isso, primeiro é preciso saber o que evitar para não cair em armadilhas, em pequeno ou longo prazo. Sim! Crianças que não são saudáveis, tendencialmente podem se tornar adultos doentes. Sabendo disso, o que acha de começar a mudar esse quadro hoje?

Este post servirá como um pequeno guia da alimentação saudável para crianças. Vamos fornecer informações importantes, deixar ideias práticas para a alimentação do dia a dia, dicas saudáveis para seu filho e muito mais. Confira!

Estabelecendo hábitos saudáveis ​​para seus filhos

Como pais, é importante a orientação sobre hábitos saudáveis das suas crianças. Ajudar o filho a aprender e entender mais sobre alimentação fará com que a escolha pelos melhores alimentos aconteça naturalmente, em curto e médio prazo.

Essa modelagem que você proporciona desde cedo, ajudará seu filho a manter um estilo de vida mais positivo e benéfico para a saúde. A consequência é um crescimento bem mais saudável, favorecendo o psicológico, o fisiológico e o social da criança.

Acontece que não dá apenas para mudar a alimentação da criança do dia para a noite, nós sabemos disso. As crianças precisam de um acompanhamento nutricional, assim como adultos precisam do mesmo tipo de ajuda quando querem passar por uma reeducação alimentar.

Procure um especialista em nutrição infantil. O acesso à informação é um dos melhores caminhos para essa geração de crianças e adolescentes que crescem em um mundo industrializado. Dessa forma, eles conseguirão fazer escolhas melhores e mais conscientes.

Conversamos com Núbia Cristina Moscon, nutricionista da rede da São Bernardo Saúde, sobre a importância do incentivo dos pais nessa mudança de estilo de vida. Núbia confirmou que o aumento da obesidade infantil tem fatores mercadológicos, mas ressaltou que não podemos culpar apenas os alimentos, pois é preciso que os pais criem hábitos saudáveis desde o nascimento dos filhos.

Não é preciso apresentar alimentos ruins às crianças. Quanto mais tarde o contato com esses alimentos, melhor”, conclui a nutricionista.

O papel dos pais na educação alimentar

Essa transição da alimentação saudável para as crianças não precisa ser radical. Como falamos, não dá simplesmente para trocar a rotina de um dia para o outro. A criança vai relutar e o processo pode desencadear outros distúrbios. Há maneiras naturais de promover essa melhoria de hábitos como, por exemplo:

  • Em vez de ditar quais alimentos a criança deve comer, guie as escolhas que ela faz. Deixe vários alimentos saudáveis em sua dispensa. Deixe que a criança descubra cada um deles e tenha prazer em comê-los. Além e ajudar no poder de decisão, você ainda mostrará que alimentos saudáveis não precisam ser, necessariamente, sem graça. Deixe de fora as batatas fritas ensacadas, biscoitos recheados, suquinhos de caixinha e, principalmente, refrigerantes;
  • Incentive o seu filho a comer um pouco mais devagar. As crianças são mais agitadas. Dependendo da idade, parar para comer significa perder horas de diversão. Não o deixe pensar que a comida atrapalha a brincadeira. Se você percebe que a criança mastiga rápido demais, promova incentivos. Brinque, crie histórias, prenda naturalmente a criança por pelo menos 15 minutos durante cada refeição;
  • Procure fazer o máximo de refeições junto com seus filhos e a sua família. Por mais agitada que seja a sua rotina de pai e/ou mãe, acreditamos que, pelo menos em uma refeição, dá para reunir a família e comer junto. Promova conversas agradáveis. Essa ação também ajuda a criança a comer mais devagar, pois esse será um momento agradável para ela;
  • Envolva seu filho em compras na feira ou na preparação das refeições. Evite levá-lo para o supermercado ainda nesse processo de reeducação alimentar, mas quando precisar fazer compras em feiras de frutas e verduras, leve-o com você. O aroma e as cores das feiras encantam também e ele certamente descobrirá um mundo bastante agradável. Convidar a criança para o preparo das refeições também é uma ótima maneira de incentivá-lo a comer bem. Mantenha esse hábito pelo menos uma vez na semana;
  • Planeje o lanche escolar para toda a semana. Se você tem uma planilha com a programação do lanche que seu filho levará para a escola, evita que faltem opções e você caia novamente nos salgadinhos e biscoitos ensacados e nada nutritivo. Não deixe essa escolha para última hora.

São mudanças graduais, mas que podem ser inseridas naturalmente na sua rotina e na rotina dos seus filhos. Dá para mudar positivamente sem grandes gastos e sacrifícios.

Alimentos que você deve deixar fora da rotina do seu filho

Reforçando a dica da nutricionista Núbia Moscon, você não precisa apresentar determinados alimentos para sua criança. Sabemos que, em um mundo cercado por Coca-Cola e fast foods, é praticamente impossível que seus filhos não tenham acesso a esse tipo de comida. Contudo, se não há hábito, não há desejo de comer esses alimentos. Por mais que eles conheçam todas as “tentações”, a vontade de comê-las não causará grandes preocupações para os pais futuramente.

Núbia Moscon ainda nos listou quais alimentos devem ser deixados de fora da rotina das crianças. Veja:

1 – Salsicha e embutidos

Os embutidos estão muito presentes nas refeições atualmente. Os alimentos altamente processados, como a salsicha, o presunto, o peito de peru e a mortadela, contêm Nitrito. Esse componente químico apresenta um alto teor de sódio, gorduras saturadas e condimentos adicionais.

O resultado é uma maior chance de desenvolver problemas de saúde como doenças coronarianas, hipertensão arterial e acidentes vasculares cerebrais.

Dê preferência para as proteínas in natura, claro, sempre na quantidade indicada pela nutricionista ou pediatra que acompanhe o desenvolvimento do seu filho.

2 – Refrigerantes

Um dos maiores inimigos da dieta infantil é o refrigerante. A bebida possui alto teor de sódio, conservantes e açúcares. Estes compostos aumentam as chances de desenvolver problemas como a osteoporose e diabetes, além de facilitarem a obesidade infantil.

Nada melhor do que sucos naturais ou água para acompanhar as refeições dos seus filhos. Eles são igualmente deliciosos e muito mais saudáveis do que um copo de refrigerante. Mesmo os refrigerantes Diet ou Zero devem ser evitados.

3 – Suco e bebida láctea industrializados

E até mesmo os sucos que você serve para seus filhos precisam de atenção. Evite os produtos prontos, aqueles de caixinha. Eles possuem uma quantidade enorme de açúcares que, muitas vezes, chega a ultrapassar a dos refrigerantes.

O mais indicado para crianças com mais de 2 anos de idade é a água pura ou um suco feito 100% do sumo de frutas frescas.

4 – Biscoito recheado

Mesmo naqueles produtos que aparentam ser mais saudáveis, a quantidade de açúcar e gorduras é muito alta. Para cada porção de 3 bolachas recheadas, o seu filho ingere cerca de 20 gramas de carboidratos e 1,8 gramas de gorduras saturadas. Considerando que raramente a criança comerá apenas essa quantidade mínima de biscoito, esse valor pode se multiplicar por 2 ou 3 vezes.

Substitua os biscoitos recheados por biscoitos de grãos integrais. Você pode, inclusive, preparar os próprios biscoitos com os seus filhos, sendo uma ótima oportunidade de interagir com as crianças. Incentive também o consumo de granola – sempre aquela com baixo volume de açúcar – e outras fibras em vez dos recheados.

5 – Salgadinhos

Salgadinhos são alimentos ultraprocessados, com presença de corantes artificiais, acidulantes e realçadores de sabor. Eles são ricos em energia, com cerca de 18 gramas de carboidratos e 4 gramas de gordura para cada 25 gramas de salgadinho. Contudo, são alimentos muito pobres em nutrientes. Você come, mas não se nutre, e isso impacta o metabolismo de forma negativa, favorecendo o ganho de peso.

Os salgadinhos também podem ser substituídos por biscoitos integrais, sequilhos, tapiocas e outras opções saudáveis e naturais.

6 – Nuggets

A maioria das empresas fabricantes dos famosos franguinhos empanados produzem embalagem atraente para crianças. São personagens de história em quadrinhos ou mascotes infantis. Os Nuggets também são encontrados como opção de refeição na parte infantil do cardápio da maioria dos restaurantes, assim como nas redes de fast food do mundo todo.

O que poucos pais atentam é que junto com o frango, há mais de 20 ingredientes, entre acidulantes, emulsificantes e aromatizantes. Em uma porção de 130 gramas de Nuggets, por exemplo, há 27 gramas de carboidratos. Se compararmos com a mesma quantidade de peito de frango, encontramos 0 gramas de carboidratos na porção.

Núbia Moscon ainda indica para os pais, as versões caseiras do frango crocante, empanando o filé com gergelim, farinha de rosca ou farinha de trigo integral. Fica igualmente saboroso e muito mais nutritivo.

7 – Doces

Negar doces para uma criança pode até soar maldade, mas se analisarmos bem, não é. Balas de goma e pirulitos são praticamente feitos apenas de açúcar, corantes e sabores artificiais. Os dentes dos pequenos são os mais prejudicados. Essas balas, principalmente mais duras, podem também deslocar aparelhos e obturações, além de trazer calorias extras que provocam obesidade.

Incentive o consumo de frutas com melaço de cana ou mel natural, granola com pouco açúcar, cereais, uva passas, etc. Esses são doces naturais, gostosos e bem mais saudáveis.

8 – Cereais em barra ou matinais

Os cereais matinais, que em sua maioria são comercializados para crianças, podem ter vitaminas adicionadas em sua composição e ser uma boa opção para aquele café da manhã nutritivo. Contudo, é muito importante observar o que dizem os rótulos, pois os cereais também podem ser aquele tipo de alimento “saudável” que sabota a dieta da criança.

Uma porção de 30 gramas do cereal matinal, por exemplo, contém 12 gramas de açúcar. Essa quantidade é praticamente a metade do que é recomendado pela OMS como ingestão diária aos pequenos.

As barrinhas de cereais também precisam de atenção. Algumas delas possuem bastante açúcar na composição e pouca proteína e fibra, diferente do que costumam anunciar. Dá para fazer barrinhas de cereais caseiras com aveia, amendoim, goji berry – que traz um sabor e aroma mais adocicado para a barrinha -, granola e melaço de cana. Todos os produtos são naturais e completamente saudáveis.

Ops. Agora já foi. O que fazer?

Depois de conhecer a lista acima, você pode se ver em uma situação difícil por ter acostumado seus filhos aos alimentos citados. Isso é muito bom, acredite. Significa que há vontade de mudar. A boa notícia é que dá para trazer uma alimentação saudável para as crianças e sem restringir muito.

O primeiro passo é entender que você também precisa mudar sua rotina. A alimentação dos seus filhos provavelmente é um reflexo do que você come cotidianamente. Núbia Moscon indica que pais observem o seu próprio prato.

Lembre-se de que a criança aprende por observação e o que você come ou deixa de comer conta muito. Você não pode exigir que seu filho coma saladas e frutas em vez de salgadinhos e bolachas se você não faz isso.” Afirma a nutricionista.

Construindo uma dieta saudável e equilibrada

Assim como existe a lista dos itens que precisam ficar de fora da alimentação infantil, existem aqueles verdadeiramente saudáveis e que deixam o prato bastante saboroso. Criamos uma pequena lista para eles também.

  • Vegetais. Quanto mais vegetais no prato, melhor. Opte por um prato bastante colorido e porções em pedaços menores. Será mais fácil de a criança iniciar em uma reeducação alimentar;
  • Frutas. Incentive seus filhos a comerem frutas, de todas as cores. Elas podem ser servidas fatiadas ou inteiras. Indicamos ainda que você insira a fruta na alimentação do pequeno em forma de suco, caso haja uma rejeição de início;
  • Grãos integrais. Alimentos feitos com grãos integrais ajudam no desenvolvimento da criança, no metabolismo, gera mais energia e são ótimos substitutos para os alimentos processados. Tenha mais no prato a quinoa, o arroz integral, o macarrão integral, etc;
  • Proteína saudável. Tenha diariamente proteínas saudáveis nas refeições da criança. Feijão, sementes, nozes, ervilha – naturais e não as de latinha -, peixes, ovos e aves. Evite carnes processadas como o bacon, salsicha e outras que citamos na lista mais acima;
  • Óleos saudáveis. Utilize mais óleos saudáveis no preparo dos alimentos da sua família. Opte por produtos feitos de oliva extra virgem, milho, girassol e amendoim. Limite também o uso de margarina e da manteiga;
  • Lácteos. O seu filho pode consumir bastante alimentos lácteos, desde que sejam escolhidos corretamente. Opte por leites sem sabor, iogurtes naturais e queijos em pequenas porções. Esses alimentos são uma grande fonte de vitamina D e cálcio;
  • Água. Sempre prefira a água como bebida. Ela é o tipo mais saudável. Também observe se a sua criança está bebendo água regularmente. O indicado é pelo menos oito copos diários.

Faça que as refeições sejam mais que apenas comida saudável

É importante se concentrar na alimentação saudável para as crianças mais do que nos alimentos isoladamente. Lembre-se que eles sozinhos não trarão mais saúde para seu filho. É preciso toda uma rotina alimentar, juntamente com exercícios e uma boa e incentivadora conversa.

Quando indicamos que seus filhos deveriam participar mais do processo de preparação, foi para que eles possam conhecer e se familiarizar com esses alimentos. Se você apenas introduz frutas e verduras como algo que “precisa comer porque é saudável”, a criança pode criar um senso de rejeição ao alimento.

É diferente, por exemplo, quando você cria uma sobremesa deliciosa utilizando essas mesmas frutas ou quando acrescenta legumes em um prato que seu filho gosta muito. Esse é o melhor caminho para criar uma rotina de alimentação saudável e totalmente natural para as crianças.

E claro, nunca esqueça da importância de um nutricionista nesse processo. Além de ajudar na parte psicológica, o médico também indicará as melhores e mais atrativas combinações para as suas refeições.

Está mais preparado para buscar a alimentação saudável para as crianças? Acredite que restringir nunca será o melhor caminho! Dá para comer corretamente e sem precisar ter no prato somente alimentos sem graça.

E nós queremos fazer parte desse processo também! O Grupo São Bernardo Saúde, com a iniciativa do NOMESMOESPIRITO.COM vem promovendo ações para a saúde e bem-estar de todos os capixabas, nossos clientes ou não. Vem com a gente nessa caminhada para revolucionar a saúde do nosso estado! Compartilhe a nossa ideia!

Comentários