O perigo dos falsos alimentos saudáveis

Tempo de leitura: 21 minutos

O perigo dos falsos alimentos saudáveis

Se você está em busca de uma alimentação saudável, certamente fez algumas substituições no seu cardápio.  Mas, será que aquela barrinha de cereal, o peito de peru fatiado e o biscoito integral na prateleira do supermercado são realmente opções de alimentos saudáveis para sua dieta?

É certo que as pessoas estão mais preocupadas com a própria saúde. E, acompanhando essa mudança do consumidor brasileiro, o mercado fitness ganhou força. Para atender esse público, não param de surgir produtos “fit”, com embalagens atrativas que aparentam ser a escolha perfeita para incluir na dieta. Contudo, boa parte desses alimentos não trazem tantos benefícios para a saúde quanto prometem no rótulo.

Você já parou para pensar que talvez esses alimentos sejam a causa pelas quais você não vê os resultados que tanto busca? Mas, como ter uma alimentação saudável se não podemos confiar nos produtos que nos são oferecidos?

De acordo com o nutricionista clínico Ricardo freire, médico credenciado do São Bernardo Saúde, isso ocorre devido à desinformação da população e estratégias de marketing da Indústria alimentícia, que prioriza o lucro em detrimento da oferta de alimentos saudáveis.

“A primeira preocupação da grande maioria dos empresários, responsáveis por empresas ligadas ao ramo alimentício é o lucro. Para muitos destes, o que importa é vender e lucrar. Cabe a nós consumidores, em uma era da tecnologia, onde a televisão, os jornais, redes sociais e toda rede ligada à informação traz tantas informações, estar informados, analisar os ingredientes e rótulos, não confiando em tudo que nos é dito”, explica o especialista.

O nutricionista também esclarece que muitos alimentos que se dizem saudáveis reservam algumas “pegadinhas” em suas composições, tais como embalagens que enfatizam um ponto positivo do produto, como “rico em vitaminas”, mas não destaca que ele também possui grandes quantidades de açúcar e sódio, por exemplo.

“Na minha opinião há sim um merchandising forte, que manipula e induz a erros, porém há muita ‘apatia’ por parte da população quanto a não se informar, pesquisar e analisar o que compra. Afinal, se não amarmos e cuidarmos de nossa saúde, quem irá?”, completa.

Para não levar um falso alimento saudável para casa, você precisa ficar de olho nos ingredientes dele. Por esse motivo, listamos 10 alimentos que você acredita serem saudáveis, mas as informações no rótulo dizem o contrário!

Conheça 10 alimentos que são verdadeiros vilões da alimentação saudável:

Boa parte dos alimentos industrializados, inclusive os que se dizem saudáveis, são recheados de sódio, corantes, conservantes, açúcares e gorduras em sua composição.

Barrinha de cereal

Barrinhas de cereais são alimentos saudáveis?
Barrinha de Cereal

Elas, geralmente, são a primeira opção para o lanche de quem está buscando uma alimentação saudável. No entanto, muitas barrinhas de cereais presentes no mercado, são ricas em açúcar e gordura em sua composição,  além de flocos de milho e arroz, que são cereais de alto índice glicêmico, ou seja, ao serem ingeridos eles são rapidamente convertidos em glicose (açúcar) pelo organismo e geram um pico de insulina.

Nesse caso, o mais indicado é olhar a lista de ingredientes do alimento.  Os ingredientes aparecem na lista em ordem decrescente, ou seja, os que são listados primeiro, estão em maior quantidade. Dessa forma, escolha a barrinha de cereal que os cereais integrais ou castanhas sejam os primeiros na lista de ingredientes. Essa informação indica que realmente se trata de um alimento saudável, já que existem mais cereais integrais do que açúcar na composição. Além disso, fique atento a ingredientes como xarope de glicose, glucose de milho, açúcar invertido ou maltodextrina, que são, nada mais, que açúcares disfarçados.

Uma boa opção de snack saudável para substituir a barrinha de cereal são mix de oleaginosas, como castanhas, amêndoas e nozes. Contudo, é importante dosar a quantidade.

Cereal integral

Cereais Integrais são alimentos saudáveis?
Cereal Integral

Seguindo o mesmo exemplo da barrinha de cereal, a maioria do cereais, vendidos como integrais, apresentam em sua composição elevados teores de açúcar.

Cereais são um grupo de alimentos saudáveis, que certamente irão enriquecer a sua dieta alimentar, sendo uma excelente opção para o café da manhã, desde que seja consumida a sua versão sem açúcar ou aditivos químicos.

Se você gosta do seu cereal mais docinho, que tal incluir um pouco de mel ou uma fruta como banana e morango? Ah, e não esqueça de ler o rótulo do cereal que está levando para casa. Nesse caso, um cereal integral de boa qualidade nutricional deve apresentar em sua lista de ingredientes maior quantidade de cereal integral do que qualquer outro ingrediente. Dessa forma, escolha a opção em que os cereais integrais aparecem em primeiro lugar na lista de ingredientes. Além disso, verifique a quantidade de fibra alimentar, que deve ser de, pelo menos, 2,5 gramas em cada porção.

Água saborizada

Águas saborizadas são alimentos saudáveis?
Água saborizada industrializada

Não há dúvidas de que beber água regularmente é essencial para a manutenção da saúde em geral. A água nutre as células, desintoxica o organismo, faz os rins e intestino trabalharem melhor, entre muitos outros benefícios, inclusive, é recomendado o consumo de, pelo menos, 2 litros de líquidos por dia.

Para auxiliar essa tarefa, muitas pessoas recorrem a águas saborizadas, ou águas de sabor. Não há mal nenhum nisso, mas, o problema está exatamente na versão industrializada da bebida, que possui corantes, conservantes, adoçantes e, muitas, até açúcar.

Uma boa opção de substituição é fazer a sua própria água saborizada. Basta incluir frutas de sua preferência como rodelas de limão e laranja. Vale a pena incluir gengibre e canela para turbinar os benefícios.

Granola

Granolas são alimentos saudáveis?
Granola

A granola se tornou um verdadeiro “alimento da moda”, principalmente no universo fitness. Muitas pessoas combinam esse alimento em várias refeições ao longo do dia.

Embora pareça uma opção saudável, já que contém um vasto conjunto de cereais complementados com grãos, óleos, frutas secas e sementes, a granola também possui grande quantidade de açúcar, deixando alto o teor de carboidratos no alimento. Prefira as versões sem açúcar e verifique as informações no rótulo. Assim como nos exemplos anteriores, a lista de ingredientes na embalagem da granola deve apresentar os cereais, grãos e sementes em primeiro lugar, indicando que estão em maior quantidade na composição, o que a caracteriza como um alimento saudável.

Pão integral

Pães Integrais são alimentos saudáveis?
Pão Integral

Infelizmente, a legislação brasileira ainda não exige uma quantidade mínima de farinha e grãos integrais para que o alimento seja considerado integral. Por esse motivo, existem muitas opções de pães, bolos, biscoitos e outros produtos no mercado, sendo vendidos como integrais, mas que possuem maior quantidade de farinha branca do que integral na composição.

Dessa forma, ao escolher um produto integral, fique atento ao rótulo: Escolha a opção em que a farinha integral aparece no topo da lista de ingredientes. Além disso, para um produto ser considerado 100% integral, a farinha de trigo branca (descrita na lista de ingredientes como farinha de trigo rica em ferro e ácido fólico) não deve estar presente na composição do produto.

Refrigerante zero açúcar/ diet

Refrigerantes zero são alimentos saudáveis?
Refrigerante Zero

Muitas pessoas que não conseguem eliminar o refrigerante da dieta, optam por sua versão sem açúcar ou diet, acreditando ser uma opção saudável. Contudo, a falta de açúcar é compensada por uma alta quantidade de sódio, que, em grandes quantidades pode provocar hipertensão, problemas renais e retenção de líquidos.

Sucos industrializados

Sucos de caixinha são alimentos saudáveis?
Suco de Caixinha

Será que substituir o refrigerante diet pelo suco é uma boa opção? Depende do tipo de suco que você vai consumir. Se estiver optando pela versão pronta para beber, disponível em uma caixinha na prateleira do supermercado, saiba que não está fazendo uma boa troca. Um é tão prejudicial para a saúde quanto o outro.

Boa parte dos sucos industrializados possuem mais da metade da composição de açúcar, geralmente, é o primeiro item na lista de ingredientes. A situação fica ainda pior na versão em pó do suco. O refresco em pó possui somente 1% (ou menos) de fruta e sua composição resume-se em açúcar, corantes, aromatizantes artificiais e aditivos.

A melhor opção é o suco natural, de preferência feito em casa e consumido na hora, ou até mesmo a própria fruta que possui mais vitaminas, fibras e minerais quando consumida in natura.

Peito de peru embutido

Peito de peru e outros embutidos são alimentos saudáveis?
Peito de Peru

Se você está pensando em fazer um sanduíche saudável e logo veio à mente o famoso peito de peru, saiba que ele está longe de ser um alimento saudável.

O peito de peru em si é uma excelente fonte de proteína. Por outro lado, a sua versão embutida, mais fácil de encontrar nos supermercados,  possui teores elevados de gordura e sódio. Além disso, a lista de ingredientes inclui fécula de mandioca, proteína de soja, aromatizantes e outros componentes artificiais, que são extremamente prejudiciais à saúde.

Boas opções para substituir o peito de peru embutido são o frango desfiado, atum e queijos brancos, que são boas fontes de proteínas magras.

Molhos prontos para a salada

Molhos para salada são alimentos saudáveis?
Molho para salada

Se você está investindo em saladas para auxiliar a dieta saudável, mas utiliza molhos prontos para temperá-las, certamente seus esforços não valerão muita coisa.

Os molhos para salada industrializados possuem grandes quantidades de sódio,  além de conservantes, corantes e outros aditivos artificiais.

Uma boa opção para deixar sua salada mais saborosa seria utilizar temperos naturais, como limão, azeite extra virgem e ervas frescas.

Açaí

Açaís com xaropes são alimentos saudáveis?
Açaí

Para finalizar essa lista, não podemos deixar de falar do queridinho dos adeptos de exercícios: o açaí.

A fruta em si é um alimento saudável e não oferece mal algum para a saúde, pelo contrário, ela é rica em antioxidantes, ferro e fibras, possui alto valor energético e ação antiinflamatória. Contudo, sua polpa congelada, consumida nas grandes cidades, é carregada de xarope de glicose com guaraná, o que confere um sabor doce ao alimento. Dessa forma, o alimento passa a ter altas concentrações de açúcar, o que aumenta o seu valor calórico.

A melhor opção é buscar o açaí em sua versão pura e batê-la com alguma fruta, como a banana. Ah, e se for incluir granola na mistura, não esqueça de escolher a versão realmente saudável!

Aprenda a ler o rótulo dos alimentos corretamente

Você costuma ler o rótulo dos produtos no supermercado antes de levá-los para casa? Se tem esse costume, consegue entender todas as informações presentes na embalagem?

A lista de “alimentos saudáveis” acima mostra que, embora tenhamos a intenção de fazer a escolha certa, existem alguns alimentos que podem sabotar a nossa dieta. É muito comum nos depararmos com embalagens atrativas com informações destacadas, tais como “rico em fibras”, “zero açúcar” ou “0% de gordura”. Mas, essa publicidade, muitas vezes, está presente para desviar as atenções das verdadeiras informações nutricionais no rótulo, podendo conter componentes prejudiciais à saúde, ou baixa quantidade de nutrientes essenciais.

Boa parte das pessoas, quando leem o rótulo, se preocupam apenas com a validade e quantidade de calorias descrita na embalagem. Mas, segundo o nutricionista Ricardo Freire, essa não é a única informação importante para uma dieta saudável.

O nutricionista explica que os rótulos dos alimentos são extremamente importantes, pois apresentam as informações nutricionais a respeito do produto, a fim de auxiliar na melhor escolha.  

“O correto hoje seria todo consumidor ter o hábito de ler os ingredientes presentes nos rótulos e as informações nutricionais. Mais do que ler, aprender a entendê-los para não ser enganado”, ressalta.

Dessa forma, o especialista dá algumas orientações sobre o que deve e o que não deve estar no rótulo dos alimentos. Saiba como interpretar as informações no rótulo e evite armadilhas!

Quais informações devem estar no rótulo?

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estabeleceu algumas normas que a Indústria alimentícia deve seguir em relação às informações descritas nos rótulos dos alimentos. Veja quais informações são obrigatórias:

Nome do produto

Nome descritivo do produto: Exemplo: Polpa de tomate, legumes em conserva e etc.

Lista de ingredientes

Aqui devem estar descritas as matérias-primas (ingredientes) usadas na produção do alimento. O padrão exige que, em primeiro lugar, deve estar o ingrediente de maior quantidade no produto, continuando de forma decrescente. Por exemplo, se um produto possui uma maior quantidade de açúcar, se comparado aos outros ingredientes, o primeiro item na lista deve ser o açúcar.

Conteúdo líquido

Indica a quantidade total de produto contido na embalagem. O valor deve ser expresso em unidade de massa (quilo) ou volume (litro).

Origem do produto

O rótulo também deve apresentar informações sobre o local de fabricação do produto, seja no Brasil ou no exterior.

Identificação do lote

O código do lote facilita o rastreamento do alimento, caso seja necessário recolher o produto ou analisá-lo pelo lote ao qual pertence.

Prazo de validade

O prazo de validade é extremamente importante, pois indica a data limite ou período seguro para o consumo. Lembre-se: quanto maior for o tempo de prateleira do seu alimento, menor será a quantidade de nutrientes que ele terá desde sua coleta ou produção.

Advertências para alérgicos

Todos os rótulos devem conter um aviso destacado (caixa alta e negrito), após a lista de ingredientes, sobre a presença ou risco de conter os principais alergênicos, ou seja, alimentos que causam alergia. Exemplo: (ALÉRGICOS: CONTÉM/ ALÉRGICOS: CONTÉM DERIVADOS DE) ou (ALÉRGICOS: PODE CONTER).

Advertências para celíacos

Os rótulos também devem apresentar um aviso sobre a presença ou ausência de glúten para consumidores celíacos.

Advertências para intolerantes à lactose: 

Os rótulos de alimentos e bebidas também devem trazer o aviso “Contém lactose”, imediatamente após ou abaixo da lista de ingredientes,  de forma destacada, a fim de advertir consumidores intolerantes à lactose.

Tabela nutricional

Tabela Nutricional
Tabela Nutricional

Como falamos anteriormente, a tabela nutricional é um item muito importante a ser avaliado pelos consumidores que desejam consumir alimentos saudáveis. Nela, constam os teores nutricionais em gramas (g), miligramas (mg) e porcentagem (%) de valores diários recomendados para uma dieta saudável.

Na tabela nutricional também consta o Percentual de Valores Energéticos Diários (%VD), um número em percentual que indica o quanto o produto em questão apresenta de energia e nutrientes em relação a uma dieta 2000 calorias diárias.

“O valor energético no geral nada mais é que as calorias, representam a energia que o corpo produz a partir do consumo daquela porção do alimento”, explica Ricardo Freire.

O nutricionista exemplifica que se um produto informar 90% do VD de sódio, significa que o produto já fornece quase o total da quantidade recomendada desse nutriente para o dia. Além disso, ele esclarece que a porção em ml e gramas geralmente não corresponde a quantidade de nutrientes na preparação ou alimento inteiro, mas sim naquela quantidade especificada em gramas ou ml, ou seja, é a quantidade média ali recomendada para o consumo e manter a alimentação saudável.

Freire também esclarece o significado dos nutrientes presentes na tabela:

– Carboidratos: são a principal fonte de energia do organismo, mas a sobra que não é utilizada pelo organismo, são estocadas em forma de gordura no corpo. Daí a importância de estar de olho no VD desse nutriente.

– Proteínas:  auxiliam a construir e conservar tecidos, órgãos e células.

– Gorduras Totais: são altamente energéticas, auxiliam no transportes de vitaminas como a K, a A, E e D. Orienta-se o consumo moderado, pois em excesso pode provocar o aumento de peso.

– Gorduras saturadas: são as que provêm de origem animal. Elas aumentam o risco de doenças cardiovasculares, por isso orienta-se o consumo moderado.

– Gorduras Trans: essas não tem importância nenhuma à saúde e podem elevar os riscos de doença cardíaca, porém está presente na composição de muitos alimentos industrializados, como salgadinhos, biscoitos, sorvetes, entre outros. São chamadas, também, de ácidos graxos trans.

– Fibra alimentar: nutriente extremamente importante para o trânsito intestinal e redução do mau colesterol (LDL). Está presente em boa parte dos alimentos saudáveis.

– Sódio: é um dos responsáveis pelo desempenho adequado do cérebro e regulação hídrica. Contudo, em excesso, provoca aumento da pressão arterial e retenção de líquidos. Dessa forma, esse nutriente merece atenção especial, pois está presente em grande quantidade em uma série de alimentos.

Quais informações não devem estar no rótulo?

Com o objetivo de chamar a atenção do consumidor, as embalagens dos alimentos podem apresentar informações que induzem ao erro. Contudo, a legislação de rotulagem é muito clara quanto a isso. Confira algumas informações que não podem estar presentes no rótulo:

Destacar componentes próprios do alimento como se fossem diferenciais

É expressamente proibido destacar componentes ou propriedades próprias do alimento como se fossem diferenciais de determinada marca.

Por exemplo: “Óleo sem colesterol”. Todo óleo vegetal não apresenta colesterol em sua composição.

Propriedades sem comprovação científica

Também está proibido destacar propriedades sem comprovação científica, como: “Seca a barriga” ou “Emagrece”.

Alegações que induzem ao erro

Além disso, o rótulo dos alimentos não deve conter informações que induzem ao erro, como produtos industrializados que se dizem “caseiro”, “natural” e “original”.

O que é o Semáforo Nutricional?

O Semáforo Nutricional surgiu em 2013, criado pela  Agência de Regulação de Alimentos do Reino Unido, como proposta para melhorar a qualidade nutricional.

No ano passado, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) realizou uma pesquisa sobre rotulagem nutricional, testando o uso do semáforo e constatou que a grande maioria dos consumidores consultados considera o semáforo mais compreensível do que a tabela nutricional.

Semelhante a um semáforo de trânsito, ele apresenta um sistema de três cores (verde, amarelo e vermelho), que facilita o reconhecimento da quantidade de quatro ingredientes específicos: sal, açúcar, gorduras (lipídios) totais e gorduras saturadas.

Semáforo Nutricional
Semáforo Nutricional

Entenda o Semáforo Nutricional:

Para conseguir identificar facilmente a quantidade que existe de gordura, gordura saturada, açúcar e sal num alimento, basta olhar para as cores:

Verde (baixo): tem uma concentração baixa de açúcares gorduras, gorduras saturadas ou sal, sendo um opção mais saudável.

Amarelo (médio): tem uma concentração média de açúcares gorduras, gorduras saturadas ou sal, é uma boa opção, porém, deve ser consumida com moderação.

Vermelho (alto): tem uma alta concentração de açúcares, gorduras, gorduras saturadas ou sal, portanto, deve ser consumido com cautela.

O que esperar da legislação de rotulagem de alimentos?

A rotulagem de alimentos no Brasil já obteve alguns avanços, mas, segundo Ricardo Freire ainda está longe do ideal.

“Os rótulos são a melhor forma de informação no que diz respeito aos alimentos saudáveis para o consumidor. Para isso, é importante que as  informações relevantes estejam bem claras. Por exemplo, os rótulos acabam deixando as informações nutricionais e ingredientes presentes no produto escondidos, evidenciando informações da publicidade. Também é evidenciado o que a empresa que mostrar, como passar aspecto de saudável ou adequado. Dessa forma, para o consumidor fica complicado discernir se o alimento é realmente saudável, já sendo induzido a esse erro”, adverte o nutricionista.

Em agosto de 2017, o Idec apresentou à Anvisa uma proposta de atualização e aprimoramento do atual modelo de rotulagem nutricional no Brasil, com o objetivo de ajudar os consumidores a fazerem escolhas de alimentos saudáveis. A proposta envolve alertas na parte da frente da embalagem, além de promover melhorias na tabela nutricional e na lista de ingredientes. Porém, ainda é necessária uma análise, por parte da Anvisa para que essa forma de informação seja bem entendida pelo consumidor.

Um dos itens da proposta seria a inclusão de um selo de advertência, na parte da frente da embalagem de alimentos processados e ultraprocessados (como sopas instantâneas, refrigerantes, biscoitos, etc.), indicando se há excesso de açúcar, sódio, gorduras totais e saturadas, além da presença de adoçante e gordura trans em qualquer quantidade. 

Modelo proposta IDEC
Modelo proposta IDEC

A Anvisa considera uma prioridade o aprimoramento da rotulagem de alimentos e deve definir, em breve, o novo modelo que deverá ser adotado, levando em consideração, inclusive, a rotulagem frontal, como o modelo de Semáforo Nutricional e o proposto pelo Idec.

Ainda tem dúvidas sobre a rotulagem de alimentos? Para esclarecer ainda mais, a ANVISA criou um Manual de Orientação aos Consumidores, com informações importantes sobre a rotulagem nutricional obrigatória e educação para uma alimentação saudável. Vale a pena a leitura!

Quer saber mais sobre alimentação saudável? Leia o Guia básico do jejum intermitente

O Grupo São Bernardo Saúde acredita que, para manter uma alimentação saudável e garantir uma saúde de qualidade, é preciso estar bem informado. Dessa forma, temos o compromisso de promover ações de promoção à saúde e qualidade de vida, incentivando o autocuidado e disseminando informações que contribuem para a prevenção de doenças.

Pensando nisso, foi criado o “No mesmo espírito”, um programa de promoção à saúde, que vai muito além da informação, pois distribui serviços GRATUITOS do São Bernardo Saúde para todos os capixabas. Clientes ou não.

Cadastre-se. Compartilhe. Vamos juntos, no mesmo espírito, revolucionar a saúde do nosso estado! Quer saber mais? Clique aqui e conheça o Programa.

Comentários